I Sette aspetti della Nuova Coscienza

ervin_laszlo

Il grande compito, la grande sfida del nostro tempo è cambiare se stessi. Vorrei fare un elenco di sette caratteristiche della nuova visione, della nuova coscienza, perché è possibile acquisirla, tutti possono evolvere, tante persone l’hanno già ed è diventata una conditio sine qua non della nostra sopravvivenza sulla Terra.

La prima caratteristica è l’olismo, la visione olistica, per contrastare la visione frammentaria, disciplinaria, atomistica, che separa tutto: la mente dalla natura, l’uomo e la società dalla biosfera, e tutti i campi della realtà l’uno dall’altro. La visione olistica è proprio quella comprensione unitaria che si sta sperimentando nei vari centri per la coscienza planetaria intorno al mondo, ed è una caratteristica fondamentale della nuova coscienza.

La seconda è il pensiero trasversale, globale, tra i due emisferi e tra i tre cervelli: non pensare sempre con l’emisfero sinistro razionale, o essere dipendenti solo dall’emisfero destro, quello più creativo e mistico e meno orientato all’uso della lingua. Bisogna avere la possibilità di muoversi, in modo armonico e fluido, tra l’uno e l’altro, utilizzare l’interezza delle nostre potenzialità. Questa è la base della vera creatività.

Terzo è la valorizzazione della comunicazione, non solamente possedere delle conoscenze, ma comunicarle. Comunicare è sicuramente la legge della vita e di tutta l’evoluzione. Questa possibilità di valorizzazione del comunicare, di condividere le esperienze, le idee è una caratteristica della nuova coscienza.

Quarto, lo stile di vita semplice. C’è un nuovo movimento verso la semplicità – non di chi è dominato da un movente economico, “siamo troppo poveri per non essere semplici” – ma la semplicità volontaria, scegliere di vivere in maniera più semplice e naturale, senza tutto questo eccesso attorno a noi nella civiltà occidentale. Questo è un movimento per il consumo responsabile, ecologico, etico molto rapido e forte nei Paesi cosiddetti industriali, e speriamo che dia una spinta di sviluppo anche negli altri Paesi.

Il quinto è la spiritualità, il rinascimento della nuova spiritualità. E’ molto interessante, molti maestri, saggi e lama possono fare da guida. Questa spiritualità viene dall’antichità, ha migliaia di anni e non localizza la divinità fuori dalla natura e dall’uomo ma dentro: tutto è divino e siamo tutti collegati attraverso questa divinità. Anche questo è un movimento in crescita ed è una grande speranza per il futuro.

Sesto è riscoprire la salute globale, individuale, il movimento verso i cibi naturali, l’ecologia, l’ambiente sano, l’unità dell’uomo con il suo ambiente per ritrovare la salute in un senso molto complesso e olistico, non soltanto come assenza di malattia, così come la pace non è solo l’assenza della guerra ma una totalità, un funzionamento del sistema al suo livello ottimale.

Settimo è la coscienza planetaria. Imparare a sentirsi parte del sistema Terra, passare da una vita locale ed egocentrica ad una visione globale, planetaria. E’ importante comprendere la bellezza e la complessità della rete ecosistemica e umana che forma l’intero pianeta, Gaia. Le sue leggi, le sue difficoltà, gli ostacoli al suo sviluppo armonico. Allargare il nostro punto di vista, usare la tolleranza, l’etica per superare ingiustizie e fanatismi, per un futuro planetario umano e sostenibile.

Concludendo, penso che tutte le attività pratiche e culturali che avvengono nei centri per la coscienza planetaria sparsi in tutto il mondo, esprimano la nuova coscienza. E’ importante perché la nuova coscienza si sviluppa attraverso la sperimentazione, sperimentare come vivere in questo modo, non solo pensarci in modo astratto, ma viverci dentro.

Ervin Laszlo

Os sete aspectos da nova consciência, por Ervin Laszlo

Por: Ervin Laszlo
Fonte:
imediata
Tradução: Mario S. Mieli

A grande tarefa, o grade desafio do nosso tempo é mudarmos a nós mesmos. Gostaria de fazer um elenco das sete características da nova visão, da nova consciência, porque é possível consegui-la, todos podem evoluir, muitas pessoas já o fizeram e se tornou condição sine qua non da nossa sobrevivência na Terra. A primeira característica é o holismo, a visão holística, em contraste com a visão fragmentária, disciplinar, atomística, que separa tudo: a mente da natureza, o homem e a sociedade da biosfera, e todos os campos da realidade, um do outro. A visão holística é justamente aquela visão unitária que está sendo experimentada nos vários centros para a consciência planetária em todo o mundo, e é uma característica fundamental da nova consciência.A segunda é o pensamento transversal, global, entre os dois hemisférios e entre os três cérebros: não pensar sempre com o hemisfério esquerdo racional, ou se tornar dependente só do hemisfério direito, o mais criativo e místico e menos voltado ao uso da língua. É preciso ter a possibilidade de se mover, de maneira harmônica e fluida, entre um e outro, utilizar a inteireza de nossas potencialidades. Essa é a base da verdadeira criatividade.Terceiro é a valorização da comunicação, não apenas possuir conhecimentos, mas comunicá-los. Comunicar é seguramente a lei da vida e de toda a evolução. Essa possibilidade de valorização do comunicar, do compartilhar as experiências, as ideias, é uma característica da nova consciência.

Quarto, o estilo de vida simples. Há um novo movimento em direção à simplicidade – não de quem está dominado por uma motivação econômica, “somos pobres demais para não sermos simples” – mas a simplicidade voluntária, escolher viver de maneira mais simples e natural, sem todo esse excesso ao nosso redor, na civilização ocidental. Esse é um movimento para o consumo responsável, ecológico, ético, muito rápido e forte nos chamados países industriais, e esperamos que dê um impulso de desenvolvimento também nos outros países.
O quinto é a espiritualidade, o renascimento da nova espiritualidade. É muito interessante, muitos mestres, sábios e lamas podem ajudar na guia. Essa espiritualidade vem da Antiguidade, tem milhares de anos e não localiza a divindade fora da natureza e do homem, mas dentro: tudo é divino e estamos todos ligados através dessa divindade. Esse também é um movimento em crescimento e é uma grande esperança para o futuro.O sexto é redescobrir a saúde global, individual, o movimento no sentido de alimentos naturais, a ecologia, o ambiente saudável, a unidade do homem com o seu ambiente para reencontrar a saúde num sentido muito complexo e holístico, entendido não só como ausência de doença, assim como a paz não é só a ausência de guerra, mas uma totalidade, um funcionamento do sistema em seu nível ótimo.O sétimo é a consciência planetária. Aprender a se sentir parte do sistema Terra, passar de uma vida local e egocêntrica a uma visão global, planetária. É importante compreender a beleza e a complexidade da rede ecossistêmica e humana que forma o inteiro planeta, Gaia. Suas leis, suas dificuldades, os obstáculos ao seu desenvolvimento harmônico. Ampliar o nosso ponto de vista, usar a tolerância, a ética para superar injustiças e fantasmas, por um futuro planetário humano e sustentável.
Concluindo, penso que todas as atividades práticas e culturais que ocorrem nos centros para a consciência planetária espalhados pelo mundo, exprimam a nova consciência. É importante porque a nova consciência se desenvolve por meio da experimentação; experimentar como viver desse modo, não só pensar de maneira abstrata, mas viver dentro dele.